Menu páginas
TwitterRssFacebook
Menu Categorias

Publicado por em jul 30, 2014 em Bispo Inaldo Barreto, Destaque, Notícias, Sem categoria | Ninguém comentou

A PAZ

A PAZ

O Príncipe da Paz, שׁלם שׂר. Sar-Shalom, Jesus.

Impossível a paz sem um princípio que a determine e assegure a sua permanência por um longo tempo. Os interesses que promovem a guerra só podem ser superados por um agente poderoso da paz, não tão somente a boa vontade, mas o poder da boa vontade, um agente que possa ligar dois lados oponentes, que possa muda a cultura da guerra como opção para promover a paz. Um princípio para a paz é o que a paz solicita para sua existência e expansão.

Isaías fala do Príncipe da Paz, שׁלם שׂר Sar-Shalom, (Isaías 9.6), ele será descendente do Rei Davi, portanto judeu príncipe. A Palestina é uma região antiga e o conflito idem, no livro de Josué encontramos um texto onde fica claro a situação de nossos dias: “Então, sabei com certeza, que Yahweh vosso Deus deixará de expulsar de diante de vós estas nações inimigas, se tornarão para vós em ciladas, armadilhas e precipícios chicote em vossas costas e espinhos em vossos olhos, até que desapareçais de toda esta boa terra que vos concedeu Yahweh vosso Deus” (Josué 23.13). No contexto histórico do livro de Josué encontramos o motivo pelo qual terminou ficando para trás as decisões que deveriam ser tomadas. “No entanto, afirmaram os principais: “Que vivam, mas que sejam rachadores de lenha e carregadores de água para toda a congregação israelita! ” E assim, portanto, se manteve a promessa dos líderes de Israel. ” (9.21). Esses fatos se tornam fundamentais para os acontecimentos futuro.

O que faltou para Israel, Inteligência ou percepção? Algumas vezes a inteligência é originária do desejo de luta, e nesse caso a inteligência fornece os meios necessários para vencer os obstáculos. Eles deveriam pensar em concordância com a promessa divina, mas falharam e por essa razão, os filisteus se tornaram um מקשׁ מוקשׁ “laço”. Mokashe, Um laço, figurativamente um gancho para alçar pelo nariz. Também significa, uma armadilha, foi uma armadilha que nasceu na desobediência. No contexto histórico temos também o período da guerra de conquista que perdurou por muito tempo. Não temos hoje em dia essa opção de crescimento territorial. Acabou.

O que Israel viveu foi um ensaio para o futuro, [“nul n´est bom volontairement” (Pascal Quignard) ( ninguém é bom voluntariamente)] . Israel depois do período de conquista teria que aprender a ser, “bom”. Ninguém o é voluntariamente é preciso um aprendizado ético.

O Eterno preparou um caminho para a paz, mas só para judeus e palestinos, mas para toda humanidade, independente da salvação eterna, a paz é algo que se pode alcançar através do nome de Jesus, ou dizendo de outra forma, por meio da pessoa de Cristo.

Em Isaías sabemos que Ele é o Principe da Paz, “Sar-Shalom”. Essa palavra é poderosa, nessa semana foi publicado na Folha de São Paulo uma foto com gente de todo canto, com faixas onde se podia ler: “Salan, Paz, Shalom”. O povo árabe também quer a paz, quem não consegue viver em paz são os fundamentalistas. A Irmandade muçulmana, o Hamas e o Hezbollah são gente que criaram o “partido de Deus”, se é possível um partido político para o Ser Divino, isso é uma aberração, um partido tenta enquadrar a divindade na vontade humana de poder e domínio sobre os outros.

A solução só será possível por meio de Jesus Cristo, Judeus e Palestinos só têm um Caminho, aliás, Jesus disse: “Eu sou o Caminho”, e para o Shalom não existe outra escolha a não ser essa, Jesus.

Mas aqui temos o impasse, nem judeu nem palestino quer saber de Jesus, mas poderiam tentar, o próprio Ministro de Israel disse hoje que: “Estamos cansados da opção militar”, é isso mesmo, a guerra como disse Erasmus de Rotterdam, “a guerra tem fôlego curto”, acaba e logo recomeça, o que trará a paz no Oriente Médio é a conversão dos fundamentalistas em seres humanos pensantes, e a tolerância religiosa entre todos.

Toda paz elaborada com a guerra irá gera novas guerras, o Hamas quando concorda com a paz é apenas uma estratégia para se armar, cavar túnel e outras loucuras.

Chegou o momento da Paz, Shalom, Salan, Shalom para os judeus e Salan para os árabes, e para todos, a Paz que só Jesus pode conceder. “Minha paz vos dou”.

Conclusão,

Shalom, Salan, Paz, é o alvo da humanidade, é o pensamento dos povos. A guerra é uma opção do desejo de tomar o que não nos pertence. A tolerância é o remédio melhor e mais eficaz do Século XXI.

Bispo Primas I.F. Barreto.

Publicar uma resposta