Menu páginas
TwitterRssFacebook
Menu Categorias

Publicado por em mar 28, 2016 em Bispo Inaldo Barreto, Blog, Notícias | Ninguém comentou

E recebereis poder – Atos 1.8a

E recebereis poder – Atos 1.8a

TEMA DO CONGRESSO 2016

“E recebereis poder”. (Atos 1.8a)

Significado e significância

Os congressos realizados em Ribeirão Preto sempre foi o trabalho de uma equipe eficaz, liderada pelos bispos eméritos, Claudenir Gerolamo Alves e Luiz Henrique Alves. O tema escolhido “E recebereis poder” ficou em boa medida para uma igreja carismática.

Depois das ordenações de diáconos e consagrações de pastores, tendo colocado senhores e senhoras, alguns jovens na prova diaconal, e um na prova presbiteral no sábado dia 26 de Março de 2016; partir das 9h30, pregou uma rica mensagem o Bispo da Região de Colatina.

No dia seguinte, dia 27 de Março pela manhã, depois dos louvores dirigido pela regente, Giuliana Donaires, passamos ao Estudo da Palavra.

O texto tem origem depois que os discípulos faz uma importante indagação: “Enquanto estavam reunidos, eles lhe perguntaram: “Senhor, é nesse tempo que você vai restaurar a autonomia de Ysrael?. Ele respondeu: “Vocês não precisam saber das datas ou os tempos; o Pai os mantém sob sua autoridade. Mas receberão poder quando o Ruach Hakodesh descer sobre vocês e serão minhas testemunhas em Yerushalayim, em toda a região de Yudah e Shomron, na verdade até os confins da terra!”. (Atos 1.8) -Bíblia Judaica Completa.

Note que a ordem de evangelismo precedida do revestimento com o poder do alto, vem depois de um contexto de parousia, e muda completamente o assunto, não é mais para esperar a segunda vinda com ansiedade; mas ir e fazer discípulos, a Igreja seria maior do que o que eles tinham em mente inicialmente. É importante o significado e a significância do texto e do tema, para uma boa exegese e uma consequente aplicação na vida diária da igreja. Isso é básico para o avivamento.

O texto começa com uma oposição ou restrição contindo no “mas”. Entretanto no hebraico a maneira que, com toda certeza era a de Jesus pensar; começa com, אבל Abal, ela é uma partícula adversativa, “mas”, também significa, prantear, lamentar, também na forma passiva, “afligir-se”; funciona como advérbio, אבל, (abal) que, tem força asserverativa, a forma negativa é: בל (Bal-246d). Então a frase pode ter começado de forma muito enfática, reafirmando a promessa feita anteriormente: “Agora eu lhes envio a promessa de meu Pai: portanto, fiquem aqui na cidade até serem equipados com o poder do alto” (Lucas 24.49) de ídem.

Então, Jesus começa enfaticamente, אבל, “abal”, Certamente sereis cingidos para testemunhar. Quando você busca o revestimento, busca com certeza sem os

parâmetros do conservadorismo, nem mesmo o parâmetro da reforma do século XVII, mas nos parâmetros dos movimentos avivalista, pentecostal e renovado.

Continuando na sua argumentação Jesus disse do revestimento, da capacitação. Receber assim traduzido vem do verbo, cingir, “azar”, a pronúncia não soa bem, a fonética não é agradável, mas significa se preparar para uma batalha, assim aparece em vários lugares no Antigo Testamento, desse verbo temos o cinto de Jeremias, אזור, Azor é um termo muito frequente na literatura poética militar. Então, desse ponto de vista, podemos ler: “Certamente sereis revestido, ou cingidos”, não mais na cintura apenas, mas numa forma total para um combate mediante o poder e o amor. Esse revestimento tem a origem no termo, אחז, Achaz, da raiz primitiva, guardar e esconder. Ser revestido é ser tomado e guardado por Deus. Acaz é um nome de um rei de Judá, às vezes seu nome é traduzido por, “Ele tem sustentado”.

Revestidos com poder,עוז / עז ôz. Essa é uma palavra chave para um bom entendimento da palavra poder, traduzido para o grego, δύναμης (dínamês). Mas vamos seguir na forma de pensar dos hebreus. A palavra poder, ôz, tem sua raiz em: עזז “azz”; essa é a raiz primitiva, ser bravo, sólido, firme, persistente e contínuo. Então, poder no texto não é meramente força espiritual, nem um poder sem definição ou sem conteúdo mais significativo. Poder ôz compreende: ter ousadia e bravura, e; ter paciência e tolerância. É necessário poder, mas com bravura e ousadia; e com paciência e tolerância.E isso de forma continuada. É fácil? Nao!.

Paulo recomendou a Timóteo, “poder e moderação”, (2 Timóteo 1.7)

O crente recebe poder na sua dimensão ativa e passiva sendo, ousado e robusto, mas paciente e tolerante. Sabendo suportar com tolerância.

De onde vem o poder? O texto responde: “De cima, do alto”. A forma hebraica é, אלי, ili. Esse adjetivo é encontrado duas vezes no Antigo Testamento, “Então Kalev lhe deu as fontes superiores e as fontes inferiores” (Shoftim 1.15). O lugar onde se passa essa história é Debir (oráculo), depois se torna o nome de uma cidade, e também, Dibber, orador, e palavra, דבר, (dibber).(davar). Essa foi a herança das filhas de Kalev, essa é a história que fundamenta as coisas do alto, “illi”. Outra ocorrência se encontra em Josué 15,19, onde se relata o mesmo fato.

עלּי essa é outra palavra rica para entender o texto. Precisamos saber de onde vem o poder.

Alto “il-li”, comparativamente mais alto, da raiz de alah, que por si mesmo indica, “ser alto”, ou ativo, tem origem entre os caldeus, o mais alto, עלּי, Ilay. O Deus Altissimo, seria עליון El Elion, é o titulo de Supremo. No livro de atos o dom que vem do alto il li” tem em si o nome de Deus, עליון: “Elion”

Perceba que, é o revestimento que torna o cristão uma עד-êd testemunha eficaz, pelo revestimento que vem de cima אלי, ili; note que illi tem vários derivados, “Alija” (Câmara superior), para indicar uma subida usa-se o termo, “ma-aleh”, para mostrar uma escada, usa-se, “ma´ala” (degrau e escada). Talvez venha daí o indivíduo “mala” que enfada as pessoas com suas conversas sem começo sem fim, queixas, indivíduo queixoso, solitário e amuado e inerte por causa de suas doutrinas pessoais que o embala num sossego mortal. Mas temos um termo derivado muito proveitoso, תעלה “Tealah” (cura das enfermidades). Holocausto também é “illi”,

perceba que o holocausto era colocado num lugar alto, num altar. Isso exige uma atitude do discípulo. Quando olhamos para a Cruz sempre olhamos para o alto.

O mais alto é “illi” De onde temos Elion, o Altíssimo, Deus Altíssimo, esse é máximo na derivação. Assim você já pode perceber a natureza do poder “ôz” que vem do alto, vem de Deus, do Senhor Altíssimo.

Tanto é assim, que a seguir Jesus diz o nome do doador, daquele poder que pertence somente a Ele, “Uma vez Deus falou, duas vezes ouvi; que o poder “ôz” pertence a Deus” (Salmos 62.11). Nem precisa acrescentar que é um poder, contingente, não vem de nós mesmos, mas de Deus. Contingente porque não vem de nós mesmos, mas vem de Deus.

וְרוּחַ אֱלֹהִים,

Quando buscamos no livro de Gênesis o termo “O Espírito de Deus”, pensamos em encontrar, רוח יהוה “Ruach Yahu, mas encontramos ורוח אלוהים, Ruach Elohim, no texto: “A terra entretanto, era sem forma e vazia. A escuridão cobria o mar que envolvia toda a terra, e o Espírito de Deus (Ruach Elohim) se movia sobre a face das águas” (Bereshit 1.2).

אלוהים (Elohim) deuses, Deus, e, às vezes, juízes, anjos. Deriva de Eloah , termo hebraico para o Deus de Israel, ou de “êl”, outro termo genérico ou relacionado para Deus e também para deuses pagãos. A forma plural de Elohim é entendida como um plural de majestade. Geralmente com outros qualificativos, Criação, Soberania, expressam promessa de salvação, intimidade. Para os teólogos cristão, Elohim é uma expressão da Trindade que os Judeus não concordam.

O Salmista dizia em sua oração: “Não me retires teu רוח קדוש Ruach Kadosh ( teu Santo Espírito) (Salmo 51.11)

Espírito é vento, respiro, mente e espírito, o termo ocorre 387 vezes no Antigo Testamento, suas conotações incluem poder, coragem. Acima de tudo significa vida e atividade. Em relação a Deus se refere ao seu Espírito. (Salmos 51.11; Isaías 63.10-11). Quando o povo se lembrava de Moises diziam: “Onde está aquele que fez subir do mar o pastor do seu rebanho?” A travessia do mar a pés secos, foi um típico trabalho do Espírito de Deus.

Esse é o termo no texto que estamos estudando, “Ruach Kadosh”, que aparece, Πνευμα Αγιον “pneuma agion” no Novo Testamento Grego. O Espírito Santo.

Algums denominações tem tanta dificuldade com o Espírito Santo que quase se transforma numa mera Sinagoga. Se você quiser viver uma vida no poder do Espírito Santo, melhor se afastar dessas doutrinas que foram guardadas na geladeira.

O final do texto fala de ser uma testemunha. Ser é existir, חי “chai”, e esse é um verbo de origem divina,Elohim é o Deus Existente. Testemunha no texto é עד-êd – é a . palavra comum no Antigo Testamento. Entre os hebresus quando necessário, tudo se reolvia no tribunal com as testemunhas. “êd”. Temos no salmo 19.7 o testemunho do Senhor, que é a Arca, a sua Palavra o povo de Israel e toda a criação. “O testemunho עדוּת “eduth” de Yahu é firme, torna sábio o simples”. No livro de Atos “עד” ud, testemunha é: μάρτυρες. fala de todos os cristãos que seriam as testemunhas de Jesus começando em Jerusalém, Judeia, Samaria e até os confins da terra.

O Bispo Edmagno fez uma excelente pregação com esse final do texto, Jerusalém, Judeia, Samaria e confins da terra. “Ha aretz” וער קצה חארצ, (ud qêseh ha-aretz) “testemunhas até os confins da terra. . Esse limite nos envolve como evangelistas para testemunhar. Toda a equipe do PROEV deve viver essa significância, e também toda a igreja metodista renovada no Brasil.

Na primeira região a equipe do proev promove o evangelismo de impacto e a abertura das casas para discipulados, uma equipe de apoio foi criada para fazer a triagem e posteriormente as visitas são feitas para se iniciar o discipulado. Com uma média de 50 casas para visitar por cada evento realizado, temos bastante trabalho; e um campo enorme para o evangelismo. A equipe de apoio é formada por irmãos com experiência para aconselhamento, tendo a missionária Lourdes como líder coordenadora. Com reuniões periódicas se avalia o movimento evangelístico, e as visitas aos novos convertidos. A Igreja cresce.

Agora, o testemunho כעד, “ud” tem que ser eficaz. Testemunhar é “voltar e repetir”. É isso o que estamos fazendo, no Retiro de 2016. Há de se voltar no tempo, olhar o texto e repetir o fato. Significado e significância.

A Testemunha , “êd” עֵד, revestida de “ôz”, poder não irá nas suas próprias forças, mas na força do Senhor, ou dizendo de outra forma: no “poder do Espirito Santo”, que tem o mesmo significado. Você pode fazer um curso teológico e tirar as melhores notas, mas sem o Espírito Santo será inútil na hora do desafio. Para testemunhar Jesus disse que é necessário se revestir. Cingir-se é uma necessidade.

O Bispo Eder, na sua exegese demonstrou com sabedoria o texto onde Eliseu pede de Elias “porção dobrada do espírito”.

נָא פִּי-שְׁנַיִם בְּרוּחֲךָ אֵלָי nã peh shenayim b/ruahch el: Que me seja dada uma dupla porção do teu espirito.

“Elias havia pedido as “contas” e o Senhor ordenou-lhe que passasse o cargo para Eliseu, este de forma sábia e muito ousada pediu poder para realizar a missão que era de Elias.” A primeira advertência é que, o obreiro não pode desanimar, tem se manter no campo de batalha, essa é uma das raízes do poder, “ôz”. O revestimento é “cingir”.No Novo Testamento é um termo muito mais abrangente do que o אזור, “azor”, o cinto de Jeremias. É revestimento da alma com o poder do alto, para testemunhar.

Conclusão:

No Antigo Testamento, o עדה “êdah”, é um termo jurídico, a testemunha atirava a primeira pedra, (Dt 17.7). No Novo Testamento a O texto tem um significado, e uma significância plena do amor de Jesus. A testemunha irá falar do que “viu e ouviu”. Independente de doutrina conservadora ou carismática. O texto só produz efeito se você envolver a sua alma nele, recebendo da fonte do alto, por meio dele e para Ele.

Publicar uma resposta